FESTIVIDADES CATÓLICAS

Na Igreja, a liturgia reúne cristãos em comunidade em nome do Senhor. O ano cristão é marcado por um grande número de festivais que lembram a essência dos eventos experimentados por Jesus. Eles manifestam nossa fé no Messias.

A Igreja "revela todo o mistério de Cristo durante o ciclo do ano litúrgico.

FESTA DA IMACULADA CONCEIÇÃO - 8 DE DEZEMBRO

Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!

Em 27 de novembro de 1830, Catherine Labouré recebeu a missão de propagar essa invocação. Alguns anos depois, Bernadette Soubirous ouviu a bela dama da caverna dizer " Eu sou a Imaculada Conceição ". Enquanto isso, o Papa Pio IX definiu como um dogma da Igreja, a Imaculada Conceição da Bem-Aventurada Virgem, dando origem a esta festa litúrgica. 

"Em Maria cheia de graça, não há espaço para o pecado, porque Deus sempre a escolheu como Mãe de Jesus e ele a salvou da falha original  " (Papa Francisco, 8 de dezembro de 2014).A inclinação para o mal é intrínseca à natureza do homem e o seu primeiro pecado é o pecado de desobediência a Deus, que reflete a falta de confiança em sua bondade.

O pecado só pode ser entendido sob a perspectiva da Redenção, anunciada a partir do relato da falha do primeiro homem e realizada em Jesus Cristo, o  "Novo Adão". "Como todos morrem em Adão, em Cristo, todos receberão vida  " (1 Coríntios 15, 22).

Maria, contudo, preservada do pecado, não sofreu a corrupção da morte e foi coroada Rainha do Céu.  

EPIFANIA

A festa da epifania celebra a manifestação de Deus aos homens, que se torna visível pela vinda de seu Filho Jesus. A palavra "Epifania" significa "manifestação".  Segundo o Evangelho de Mateus (Mt 2,1-12), três magos do Oriente seguiram uma estrela que os levou a Jesus, em Belém. 

 A história dos magos do Oriente (não judeus) anuncia que Jesus terá a missão de reunir todos os homens em sua diversidade. O dia de Pentecostes será um sinal disso: “Todos nós, judeus e prosélitos, cretenses e árabes, nós (os apóstolos de Jesus) os ouvimos proclamar em nossas línguas as maravilhas de Deus”. (Atos 2). Esta festividade não convidam, assim como os reis magos seguiram a estrela, a  buscar o sinal de Deus em nossas vidas.

NATAL

No Natal, os cristãos celebram as Boas Novas: Deus fala de amor aos homens, a todos os homens, entrando em sua forma humana como uma criança chamada "Jesus", pequena e frágil, nascida numa situação de angústia e miséria..  O relato de seu nascimento está inscrito na Bíblia, no Evangelho segundo São Lucas (2,1-14).

 No Natal não comemoramos apenas o aniversário do nascimento de Jesus. Celebramos Deus que se entrega, até hoje, a todos os homens.

Ao olhar para o menino Jesus na manjedoura, podemos ler toda a ternura de Deus pelo homem, e em particular pelos mais fracos.

Pois as primeiras pessoas a quem Jesus se manifesta não são as grandes pessoas deste mundo, mas os pastores pobres. Em Jesus, Deus primeiro se mostra aos excluídos, aos desprezados, aos que nada têm. 

 O Natal é, portanto, um momento de alegria, mas também um momento de esperança. Em Jesus, Deus nos mostra seu amor e nos convida a dar à luz a esse amor em nossos corações, em nossa "manjedoura interior". 

FESTA DA APRESENTAÇÃO DE JESUS NO TEMPLO

Quarenta dias depois do Natal, a Igreja celebra a apresentação de Jesus no templo, por seus pais, “como está escrito na Lei". Recorda que Jesus, de acordo com a lei judaica, foi apresentado ao templo em Jerusalém e oferecido a Deus (Lucas 2, 22-40). Neste dia, o velho Simeão viu o Menino Jesus e o chamou de " Luz para iluminar as nações pagãs ".

A Igreja também recorda neste dia uma antiga devoção em que uma procissão luminosa relembrava o trajeto de Maria ao templo, por isso, a celebração de Nossa Senhora das Candeias ou Nossa Senhora da Candelária ou ainda Nossa Senhora da Luz neste dia.

Na liturgia atual a celebração recorda principalmente a figura de Jesus, mas manteve a tradicional bênção das velas dessa antiga tradição pelo simbolismo que ela carrega, como assinala o missionário redentorista padre Geraldo de Paula. “Na celebração do dia de hoje, onde apresentamos a vela, a luz, nós estamos lembrando que Cristo é a nossa luz, e queremos então ser sempre abençoados por esse Deus que nos ama e que nos convida a sermos portadores dessa luz a todos os irmãos e irmãs”. "Por isso vamos em procissão com velas em nossas mãos e nos apressamos carregando luzes; queremos demonstrar que a luz brilhou para nós e significar a glória que deve chegar através dele. Por isso vamos juntos ao encontro com Deus". Assim, as “velas” lembram nossa fé naquele que disse:

“Eu sou a luz do mundo”. 

Fonte: A12

PÁSCOA

A festa da Páscoa acontece ao longo de três dias, da Quinta-Feira Santa ao Domingo de Páscoa (tríduo pascal).

A palavra em si vem do hebraico "Pessach", que significa "passagem". Este nome originalmente designa o feriado judaico que comemora a passagem de Deus no Egito, conforme narrado no livro bíblico de Êxodo. Deus passa entre o povo e os liberta dos egípcios. As pessoas passam pelo Mar Vermelho do cativeiro para a liberdade depois da passagem de Deus.

Para nós cristãos, a Páscoa evoca o evento principal e fundamental da nossa fé: a Páscoa de Jesus Cristo.

Depois de passar cerca de três anos viajando pela terra da Palestina para proclamar em ações e em palavras as Boas Novas do Reino de Deus, Jesus toma a direção de Jerusalém.

Ele entrou com aclamação porque sua reputação era tal que se pensava em restabelecer a realeza em Israel. Esta entrada triunfal é comemorada no Domingo de Ramos . Infelizmente, após o "viva" (e não o "Hosana"), chega o momento da paixão.

Aquele que nada fez a não ser o bem, curando doentes e perdoando pecadores, logo é descoberto pelas autoridades religiosas. Suas palavras no templo, na lei, nos fariseus hipócritas, acabam atraindo ódio para ele.

No dia anterior à sua prisão, "Jesus sabendo que chegou a sua hora" (João 13) compartilhou a Páscoa judaica uma última vez com seus discípulos. Durante essa refeição, ele instituiu a Eucaristia, um memorial de sua Páscoa, e pelo gesto da lavagem dos pés, ensinou a seus discípulos o caminho para a felicidade, convidando-os a fazer o que ele fazia, a se tornarem servos da felicidade dos outros.

A Quinta-feira Santa comemora esta última refeição. Os sacerdotes naquela tarde lavam os pés dos fiéis, doze em número, como os apóstolos. E a Eucaristia é celebrada de maneira particularmente solene. A celebração continua com um tempo chamado "hora santa", onde perto do corpo eucarístico de Jesus, o vigia fiel, junta misteriosamente sua oração à agonia de Cristo no jardim do Getsêmani.

Traído por um de seus companheiros, Judas Iscariote, Jesus é preso. Após um  interrogatório, durante o qual Jesus não procura se defender, é condenado à morte cruel reservada aos excluídos: a crucificação.

Confiante até o fim, apesar da dor, ele orou e se abandonou com confiança nas mãos de Deus, seu Pai. Ele ainda encontra tempo para pensar nos outros, perdoando até o último momento.

 

A Sexta-feira Santa comemora este dia de paixão.  É um tempo real de conversão. A tradição é nesse dia praticar jejum e abstinência. A Sexta-feira Santa termina com o ofício da paixão, onde é lido o Evangelho da Paixão segundo São João. Nunca há uma missa naquele dia.

O Sábado Santo é, por excelência, um dia de espera, com um tom particular na liturgia. Jesus, depois de ser enterrado, descansa. As escrituras e a tradição nos dizem que durante esse tempo, Cristo desceu à mansão dos mortos.

De fato, na noite deste sábado sagrado, em torno do novo fogo aceso no pátio da igreja, as grandes novas surgem no céu (com o canto do "exultante"): Cristo ressuscitou dos mortos. Seu túmulo foi encontrado vazio ao amanhecer no domingo pelas mulheres santas que vieram embalsamar o corpo. A pedra pesada foi enrolada, os lençóis permaneceram lá, mas o corpo não está mais lá . Mais tarde, o Ressuscitado aparece para Maria Madalena, depois para os Doze Discípulos, depois para muitos irmãos em Jerusalém. A morte foi vencida, a vida eterna é oferecida para ser compartilhada com qualquer homem acreditar em Jesus Cristo.

A vigília pascal, que traça a história da salvação desde o começo do mundo, é uma oportunidade para toda a comunidade renovar sua própria fé batismal. Um gesto significativo dessa vigília é a aspersão da assembléia com água benta. A Eucaristia é novamente celebrada.

O domingo de Páscoa é o grande dia dos sacramentos da nova vida. Este dia é tão especial no ano, que é comemorado por oito dias.

O tempo da Páscoa, um tempo de celebração e alegria, se estende por cinquenta dias até o Pentecostes, a festa do dom do Espírito Santo à Igreja.

FESTIVIDADE DA ANUNCIAÇÃO

Em 25 de março, celebramos a Anunciação do Senhor. Há quanto tempo a Igreja celebra essa festa? Por que nesta data?

Celebrada em 25 de março desde meados do século VII na Igreja Latina, a Anunciação é uma festa importante para os cristãos, pois comemora o anúncio a Maria - comunicada pelo Arcanjo Gabriel - de que ela seria mãe de um filho verdadeiramente “único”: “Ele será ótimo e nós o chamaremos de Filho do Altíssimo” (Lc 1,32).

A escolha de 25 de março, que remonta aos primeiros séculos, está ligada à de 25 de dezembro para a celebração do Natal. Acreditava-se que esta data era a da morte e a última Páscoa de Jesus, que levou os primeiros cristãos a fixar o dia 25 de março como sua concepção e o primeiro momento da Encarnação.

Além disso, uma vez que a comemoração anual do nascimento de Jesus ocorreu em 25 de dezembro, foi desnecessário comemorar o início de sua vida no ventre de Maria, nove meses antes, em 25 de março.

O Arcanjo Gabriel explica que ela levará o filho Deus dentro dela enquanto permanecer virgem: o nascimento de Jesus que leva a carne não é o resultado da paternidade humana, mas o fruto de uma intervenção criativa de a mente.

Acreditar na virgindade de Maria é um ato de fé: nem a ciência nem a história nos permitem dizer o "como" da ressurreição, nem o "como" da concepção de Jesus. A própria Maria, na história da Anunciação, quando o anjo diz que ela dará à luz um filho, faz a pergunta:

"Como isso será feito?" "

DIA DE TODOS OS SANTOS

Em 1º de novembro, Dia de Todos os Santos, a Igreja Católica celebra todos os santos canonizados, ou seja, reconhecidos "oficialmente" pela Igreja Católica.

Esses homens e mulheres cuja paixão por Deus mudou de vida são reconhecidos como "santos". Os santos são acima de todas as pessoas comuns, cujo encontro e fidelidade a Deus fizeram de suas vidas uma vida extraordinária.

Para muitos, o caminho não foi sem armadilhas.

Muitas vezes lutavam para permanecer perto de Deus, com confiança e esperança, apesar das dificuldades e tentações.

Mas o que eles fizeram de extraordinário em suas vidas? Nada menos do que seguir o caminho proposto por Cristo: o caminho das bem-aventuranças.

O Evangelho das Bem-Aventuranças (Mt 5,1-12), lido no Dia de Todos os Santos, é o primeiro ensinamento público de Jesus e ilumina toda a missão e ministério!

Quando evocamos os santos, pensamos nos maiores, entre os que marcaram a história da Igreja, mas pensamos também nos santos que virão.

Todo homem é chamado por Deus para ser santo, confiar nele e dirigir toda a sua vida em seu amor, à luz das bem-aventuranças. Os santos são, portanto, apresentados a nós como modelos, exemplos de vida.

FESTIVIDADE DE JESUS CRISTO REI

"Onde está o rei dos judeus que acabou de nascer?" (Mateus 2, 2)

Jesus é, desde seu nascimento, chamado de rei, o messias, prometido por Deus para salvar os homens. Agora são os magos, pagãos, que procuram essa criança que acabou de nascer, o salvador aguardado por um povo inteiro. Durante sua vida Jesus foi muito reservado quanto ao título de rei, mas o aceitou como um título messiânico, despido de toda ressonância política. Ele mesmo disse que seu "reino não é deste mundo". Ele levará este título à cruz. Pilatos escreverá na madeira: "Este é o rei dos judeus"! (Lucas 23,38)

Seis séculos antes do nascimento de Jesus, muito antes das palavras dos Reis Magos e Pilatos, o profeta Zacarias anunciou ao povo judeu: " Exulte, Jerusalém! Eis que o seu rei vem a você, justo e vitorioso, humilde e montado num jumento ” (Zacarias 9,9).

Jesus é um rei, diferente dos outros, que se destacou dos reis deste mundo pela maneira como viveu. Um rei da justiça, perdão e misericórdia. Um rei cujo reino se estende por todo lugar ao qual viajou para curar, ensinar, proclamar. Através do Filho, o Pai é revelado.

Um rei que nunca deixou de fazer a vontade de seu pai e nos ensinou: "Seja feita a sua vontade". "Porque desci do céu para não fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou" (João 6,38). "Meu Pai, se não for possível afastar de mim este cálice sem que eu o beba, faça-se a tua vontade". (Mt 26,42)

Celebrar a Cristo Rei é aceitar que Cristo reina sobre nossas vidas e, portanto, devemos ser servos bons e fiéis, cheios de caridade, benevolência e solidariedade.

Somos chamados à conversão, ao longo de nossas vidas, para deixarmos Deus agir em nós e moldar nossos corações.

FESTA DA ASSUNÇÃO DE MARIA AO CÉU

“Todos eles se reuniam sempre em oração, com as mulheres, inclusive Maria, a mãe de Jesus”. (Atos 1, 14) Esta é a última menção explícita no Novo Testamento à Maria, que após a morte de Jesus, o discípulo João a levou para sua casa. Provavelmente foi em Jerusalém que Maria terminou sua estadia terrena. O evento mariano de hoje corresponde à morte, ressurreição e ascensão de Cristo. Em 1950, o Papa Pio XII, por ocasião do Ano Santo, definiu que na festa da Assunção de Maria os cristãos celebram a morte e a entrada na glória de Deus da Virgem Maria.

A Igreja Católica acredita que a Virgem Maria, que deu carne a Cristo, o verbo feito carne, foi ressuscitada em seu corpo. Este é o significado da palavra “Assunção”: Maria sobe ao céu com seu corpo e sua alma. Em seu desejo de renovar a Igreja, o Concílio Vaticano II (1963-1965) soube dar lugar à devoção à Virgem Maria, integrando-a à reflexão sobre a Igreja.

A festa da Assunção é um convite para redescobrir a fé e a confiança, como no exemplo de Maria, rezando pelo outro. É tempo de redescobrir o olhar de Maria, como o evangelista Lucas o expressou no “Magnificat”.

FESTA DA ASCENSÃO DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

"A Ascensão do Senhor" celebra a entrada de Cristo na glória de Deus, o fim de sua presença visível na terra e o prenúncio de nossa vida na eternidade. Sua partida simboliza um novo modo de presença, universal e atemporal, porque Cristo permanece presente nos sacramentos e, especialmente, na Eucaristia. Crer que o Cristo ressuscitado entrou na glória é um ato de fé. O livro dos Atos dos Apóstolos relata que, durante os quarenta dias que se seguiram à Páscoa, Cristo ressuscitado apareceu várias vezes aos apóstolos.

Numa refeição com os apóstolos, Cristo anunciou que receberiam a força "do Espírito Santo”. Depois dessas palavras, eles o viram se levantar e desaparecer diante de seus olhos em uma nuvem (Atos dos Apóstolos 1, 8-9). O evangelista Lucas narra que “Ele os deixou e foi elevado ao céu. Então eles o adoraram e voltaram para Jerusalém com grande alegria” (Lucas 24,52).

Assim como os apóstolos retornam a Jerusalém "cheios de alegria", da mesma forma a Ascensão é celebrada com alegria pelos cristãos. A Ascensão é realmente parte do incrível evento da Páscoa: por sua morte e ressurreição, Cristo salvou o homem e, agora, é chamado a se juntar a Deus para viver na glória celestial. O céu é um espaço espiritual de Deus. No Catecismo da Igreja Católica o céu é o " estado de felicidade suprema e definitiva ".

No dia da ascensão, a cor da roupa litúrgica do padre é branca, a cor da celebração, da luz e da alegria.

A alegria deste evento, com o anúncio de Jesus, é relatada por São Mateus (Mt 28, 20): “E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”.

Em outras palavras, Cristo está constantemente presente entre os homens, não apenas nos sacramentos, na Eucaristia em particular, mas também com aqueles que oram, sozinhos ou com outros. “Pois onde se reunirem dois ou três em meu nome, ali eu estou no meio deles", disse Jesus aos apóstolos (Mateus 18, 20).

Finalmente, a conclusão de sua vida terrena permite sua presença entre os homens em todos os tempos e lugares. Portanto, Cristo está sempre presente entre nós, mas de outra maneira: presente onde dois ou três estão reunidos em seu Nome, presente no pão e no vinho da Eucaristia, presente nos famintos alimentados ou nos doentes visitados, presente na liturgia comunitária e na oração feita no sigilo de nossos quartos.

A Ascensão é, portanto, um dos eventos fundadores da fé em Cristo. A festa da Ascensão é comemorada quarenta dias após a Páscoa´. Portanto, completa o mistério pascal e ao mesmo tempo é um prenúncio de Pentecostes, celebrado dez dias depois.

PENTECOSTES

A festa de Pentecostes celebra a vinda do Espírito Santo aos apóstolos no quinquagésimo dia após a Páscoa.

Antes da Ascensão, Cristo havia anunciado aos apóstolos: "Não compete a vocês saber os tempos ou as datas que o Pai estabeleceu pela sua própria autoridade. Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra". (Atos 1, 7-8)  

O Pentecostes marca a vinda do Espírito Santo sobre os apóstolos e o nascimento da Igreja.

O evento de Pentecostes só pode ser entendido em conexão com a Páscoa e a Ascensão: Morte pela salvação do mundo (Sexta-feira Santa), ressuscitada (dia da Páscoa) e deixada para se juntar ao Pai (na Ascensão).

Cristo envia seu Espírito aos homens (no Pentecostes). É por isso que esta festa termina o tempo da Páscoa, que dura sete semanas e da qual é a coroação gloriosa.

“Chegando o dia de Pentecoste, estavam todos reunidos num só lugar. De repente veio do céu um som, como de um vento muito forte, e encheu toda a casa na qual estavam assentados. E viram o que parecia línguas de fogo, que se separaram e pousaram sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito os capacitava”. (Atos 2, 1-4) Assim foi cumprida a promessa feita por Cristo aos apóstolos na época de sua Ascensão, dez dias antes.

De fato, os apóstolos, tendo recebido a força do Espírito , tiveram a coragem de deixar a sala do Cenáculo, onde estavam trancados com medo. Eles imediatamente começaram a testemunhar a ressurreição de Cristo, a compartilhar seus ensinamentos e a batizar. “No Pentecostes, a Igreja é formada não pela vontade humana, mas pela força do Espírito de Deus.

Esse relato dos Atos dos Apóstolos é muito significativo  : o vento e o fogo manifestam - como em muitos outros relatos da Bíblia - a presença de Deus. As línguas de fogo atestam a vinda do Espírito Santo em cada um dos apóstolos. O dom do Espírito capacita todos os apóstolos a responderem ao chamado de Cristo, como testemunhas "até os confins da terra".

Como os apóstolos, os cristãos são chamados a proclamar clara e livremente as Boas Novas do Evangelho. Essa responsabilidade foi particularmente lembrada pelos fiéis leigos pelo Concílio Vaticano II e pelo Papa João Paulo II em sua exortação Christifideles laici de 30 de dezembro de 1988 (acesse a íntegra do documento: http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/apost_exhortations/documents/hf_jp-ii_exh_30121988_christifideles-laici.html).

SANTÍSSIMA TRINDADE

O mistério central da nossa fé.

Celebrar a Santíssima Trindade é celebrar a Deus mesmo, o centro da nossa fé. O Catecismo da Igreja Católica chama o mistério da Santíssima Trindade de “o mistério central da nossa fé”. Mas o que é um mistério? E como podemos viver melhor esse dia santo?

O mistério não é uma realidade impossível de ser compreendida, como podemos pensar muitas vezes. Pelo contrário, é uma realidade que pode ir sendo compreendida cada vez mais, mas que não podemos nunca esgotar. É uma experiência parecida com a de um navio que avança da costa em direção ao alto mar. 

O horizonte vai se abrindo cada vez mais, na medida em que se avança. Se esse mar fosse infinito, como Deus o é, estamos falando de um mistério.

Nesta celebração do mistério da Santíssima Trindade somos convidados a contemplar um pouco mais essa realidade, a penetrar um pouquinho mais nesse mistério e para fazê-lo devemos “subir ao monte” como Moisés o fez quando recebeu os 10 mandamentos. Isso significa que precisamos buscar estar em contato com Deus, em diálogo com Ele.

Com essa atitude, Deus se revelará um pouco mais a cada um de nós, assim como revelou o seu nome a Moisés. Subir ao monte pode parecer uma fuga do mundo, um esquecer os problemas e me refugiar em Deus, mas é justamente o contrário disso. Conhecendo um pouco mais a Deus, que se revela como Amor, podemos encontrar os fundamentos de nossas vidas. Subindo ao monte e encontrando-nos com o Senhor, poderemos depois descer com as tábuas dos mandamentos inscritas mais profundamente em nossos corações, revigorados para viver uma vida cristã mais autêntica.

Falar que Deus é amor é dizer que ele não é um ser fechado em si mesmo, ele é relação. Relação de amor entre as três pessoas da Santíssima Trindade, o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Deus nos revela que Ele é amor, como disse São João em sua carta. Esse amor necessita se entregar, se doar. Deus criou o mundo por amor e para o Seu amor. Falar que Deus é amor é dizer que Ele não é um ser fechado em si mesmo, Ele é relação. Relação de amor entre as três pessoas da Santíssima Trindade, o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Subindo ao monte, descobrimos que nós fomos feitos à Sua imagem e semelhança, também nos realizamos no amor. E quanto amor verdadeiro o mundo precisa hoje em dia. Os cristãos, junto com a Igreja, são chamados a ser esse testemunho de “koinonia” (Comunhão) nesse mundo tomado pelo individualismo e pelo egoísmo. São chamados a refletir na Terra o mistério central de Deus Trindade, que se mostra como amor.

Que nessa festa possamos, então, encontrar-nos com Deus. Conhecê-lo melhor, descobrir o amor que Ele tem por cada um de nós, espelho do amor que Ele mesmo vive no interior da Santíssima Trindade. E que, fruto desse encontro, saiamos a anunciar esse amor para o mundo que precisa tanto dessa comunhão.

Fonte: A12

FESTA DE CORPUS CHRISTI

“Eis que Eu estou convosco todos os dias, até ao fim do mundo”

Na Quinta-Feira depois da celebração da Festa da Santíssima Trindade, a Igreja celebra a Festa do Corpo de Cristo, o Corpus Christi. 

A liturgia da Igreja nos tem levado, desde a celebração da Páscoa de Jesus, a meditar em diversos aspectos do atuar de Deus no meio do seu povo. O amor do Pai ao entregar seu Filho único, a obediência generosa de Jesus entregando-se por nós, o envio do Espírito Santo em Pentecostes e por último, na semana passada, a comunhão de amor que é vivida no interior da Santíssima Trindade, comunhão a que estão chamados todos os filhos da Igreja.

Com todas essas demonstrações de amor por parte de Deus ao homem, agora cabe a nós dar uma resposta a Deus. Essa resposta, como nos diz o Catecismo da Igreja Católica, deve ser a fé. Nós estamos chamados a dar esse salto de fé, a confiar no amor de Deus por nós e a caminhar, apoiados n´Ele, rumo ao Céu.

Mas Deus sabe que somos fracos e que, muitas vezes, estamos mais inclinados a desconfiar que a confiar. Sabe que estamos em um mundo que parece estar cada vez mais longe de Deus e que é, muitas vezes, hostil aos que creem, sabe também que necessitamos renovar uma e outra vez as nossas forças, para seguir avançando na nossa vida cristã.

Por isso, Ele quis ficar conosco para sempre, de uma maneira totalmente nova. Ele se fez pão, para cumprir a promessa de que estaria conosco até o fim do mundo. Jesus continua cumprindo essa promessa cada vez que se celebra a Eucaristia, em qualquer capela pelo mundo afora. E é essa presença real que vamos celebrar e recordar nessa quinta-feira. A festa de Corpus Christi foi instituída para realçar a presença de Cristo no Santíssimo Sacramento.

 “Ao levar a Eucaristia pelas ruas e praças, queremos submergir o Pão descido do céu no cotidiano de nossa vida; queremos que, Jesus caminhe onde nós caminhamos, que viva onde vivemos", disse Papa Bento XVI, lembrando o documento que criou a festa no século XIII.

Essa celebração é um dia para lembrar-nos a centralidade de Jesus na nossa vida e também para dar testemunho dessa centralidade para outros. Participar nas diversas procissões que se realizam, na confecção dos tradicionais tapetes e, sobretudo, nas celebrações eucarísticas, são ocasiões muito boas de crescer na fé e de expressá-la publicamente.

No Antigo Testamento, vemos o povo eleito caminhar durante 40 anos no deserto rumo à Terra Prometida, guiada por Deus e alimentada por esse pão que vem do céu, o maná. Nós somos agora o povo de Deus, a Igreja, e caminhamos alimentados pelo verdadeiro Pão do Céu, Jesus Eucaristia. Como Ele mesmo disse aos discípulos que pediram o pão verdadeiro: "Eu sou o pão da vida. Aquele que vem a mim nunca terá fome; aquele que crê em mim nunca terá sede. ” (Jo 6, 35)

Nessa festa, precisamos lembrar que, sem Jesus que se faz alimento, não podemos caminhar, rapidamente ficamos sem forças e perdemos o sentido de nossas vidas, perdemos a esperança. Isso experimentou o profeta Elias que, depois de caminhar um dia pelo deserto, já se sentia sem forças e desesperançado, chegando a desejar a morte. Mas Deus veio ao seu encontro e deu um alimento que renovou suas forças e o permitiu caminhar mais 40 dias. Da mesma maneira, Deus vem ao nosso encontro com a Eucaristia, verdadeiro alimento que nos dá forças para seguir caminhando

Fonte: A12

FESTA DA DIVINA MISERICÓRDIA

O domingo seguinte à Páscoa é o da Divina Misericórdia. O Papa João Paulo II instituiu esta festa no dia da canonização de Santa Faustina em 30 de abril de 2000.

Confitemini Domino quoniam bonus, quoniam in aeternum misericordia eius - Louvai o Senhor, porque Ele é bom, porque é eterno o Seu amor” (Sl 118, 1). (...) Jesus disse à Irmã Faustina: “A humanidade não encontrará paz, enquanto não se voltar com confiança para a misericórdia divina” (Diário, pág. 132). Através da obra da religiosa polaca, esta mensagem esteve sempre unida ao século XX, último do segundo milénio e ponte para o terceiro.

Não é uma mensagem nova, mas pode-se considerar um dom de especial iluminação, que nos ajuda a reviver de maneira mais intensa o Evangelho da Páscoa, para o oferecer como um raio de luz aos homens e às mulheres do nosso tempo. (...) Assim como os Apóstolos outrora, é necessário porém que também a humanidade de hoje acolha no cenáculo da história Cristo ressuscitado, que mostra as feridas da sua crucifixão e repete: “A paz seja convosco!”. (...) É importante, então, que acolhamos inteiramente a mensagem que nos vem da palavra de Deus neste segundo Domingo de Páscoa, que de agora em diante na Igreja inteira tomará o nome de “Domingo da Divina Misericórdia“. Nas diversas leituras, a liturgia parece traçar o caminho da misericórdia que, enquanto reconstrói a relação de cada um com Deus, suscita também entre os homens novas relações de solidariedade fraterna. Cristo ensinou-nos que “o homem não só recebe e experimenta a misericórdia de Deus, mas é também chamado a “ter misericórdia” para com os demais. “Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia” (Mt 5, 7)”. Depois, Ele indicou-nos as múltiplas vias da misericórdia, que não só perdoa os pecados, mas vai também ao encontro de todas as necessidades dos homens. Jesus inclinou-se sobre toda a miséria humana, material e espiritual.

 

(HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II, Domingo, 30 de Abril de 2000)

 

Acesse a íntegra:

http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/fr/homilies/2000/documents/hf_jp-ii_hom_20000430_faustina.html

Paróquia Nossa
Senhora de Fátima 
Vila Leopoldina
Entre em contato

Rua Barão da Passagem, 971

Vila Leopoldina - São Paulo-SP-Brasil

 

Tel.: 11 3834 1532

nsrafatima@uol.com.br

Nossa Redes Socias

Escreva para nós!

  • Twitter - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco

© 2020 Paróquia Nossa Senhora de Fátima

Desenvolvido por